Momentos de felicidade

Momentos-de-felicidade

Toc, toc! Bato na porta e chamo seu nome. Atenção meu amor! Estou trazendo alegria para lhe dar momentos de felicidade.
Anseio, desejo, enfim percebo que devo procurar por você e lhe dar os meus melhores momentos de felicidade. O que Às vezes você faz como hoje. Tranca sua portas e não abre seu coração. O que você deseja hoje?
O que você está sentindo hoje?
Estou lhe trazendo o melhor de mim, meu amor. Comprei o sol, a lua, as estrelas, o vento que sopra leve para agradar você. Não continue assim. Depressão não lhe cabe bem. Você é um ser de luz, amor, caminhe para mim e eu lhe darei momentos de felicidade. Eu os entrego a você. Não estou vendendo, estou lhe dando meus momentos de felicidade. Enquanto você fica nesse canto negro, escondido de si mesmo, cá estou a derramar meu amor para lhe fazer feliz. Eu escrevo, registro, publico e lhe digo em brados mudos e surdos tudo que tenho para lhe doar. Você pode ter todos os meus momentos de felicidade porque meu coração lhe pertence, meus pensamentos são seus e desejo intenso de lhe fazer feliz. Não fique assim. Você prefere que eu dê a outro os meus momentos de felicidade? Acorda desse pesadelo e enxerga o quanto você pode ver o colorido, o brilho do sol, o azul do mar. Tudo pode ser seu se olhar para mim. Meus olhos vão lhe dar essa visão, meus lábios vão confirmar esses momentos de amor e você vai entender. Abra essa porta, deixe-me entrar; Eu sou o sol. Sua tempestade cessou. Trago a luz e momentos de felicidade. A porta se abre. Está apenas uma fresta, mas a luz de meu olhar enche o dele de esperança. Enfim, posso lhe dar momentos de felicidade!

Era digital, o poder da comunicação

Era digital, o poder da comunicação

O-poder-da-comunicação

Na verdade percebo que a comunicação digital ou desperta paixão arrebatadora ou um ódio incomum. Não há meio termo. No entanto a aceleração do progresso tantas e tantas vezes decantada faz paralelo com a agressividade gerada por uma percentagem do público, que não aceita o progresso, de forma alguma. Sente a nostalgia de folhear revistas, jornais e livros. Porém numa rápida retrospectiva de inúmeras publicações a leitura em papel rapidamente vai se tornar coisa de museu, posto que estamos num processo sem volta.

Colocada assim, em toda sua brutal realidade, a assertiva pode receber uma resposta igualmente brutal: a mídia digital é capaz de qualquer coisa e incapaz de trazer informação consistente e séria. Ela provoca comportamentos, influencia atitudes, cria ideologias. Existe uma insistência em influenciar o público leitor para um preconceito digital acirrado contra os comunicadores da internet. Ocorre que a informação isoladamente não representa grande importância no universo da comunicação. Volatiliza-se rapidamente dada sua quantidade e fugacidade. Canalizada e organizada, entretanto, transforma-se em conhecimento, que na atualidade se tornou fator de superação de desigualdades, de inserção dos excluídos e de distribuição de riquezas, o que significa, em última análise, que informação é poder.

Agora, com as novas tecnologias conquistadas, esmerou-se ao máximo, sofisticou de tal modo a forma de se comunicar, que o homem vê completamente transformados seus hábitos e costumes. Em pouco tempo, a grande teia mundial modificou comportamentos, inovou a maneira de praticar o comércio, gerou uma nova cultura, redefiniu conceitos clássicos, e, acima de tudo, desenhou uma nova sociedade.

Inexorável em seu processo, a nova sociedade do conhecimento surgida com o fenômeno da globalização, encontra-se em processo de rápida expansão. Frente à dinâmica e à velocidade com que se expande, a sociedade contemporânea está inserida num processo de mudanças em que as novas tecnologias são as principais responsáveis, identificando-se um novo paradigma em formação de uma sociedade que se baseia num bem precioso, chamado informação. Dentro deste novo paradigma, a organização das sociedades se assenta num modo de desenvolvimento social e econômico, onde a informação, como meio de produção de conhecimento, tem como pressuposto a produção de riqueza e a contribuição para o bem estar e qualidade de vida das pessoas.

Eis a nova fronteira daquela que talvez seja a maior conquista humana, fruto de sua insaciável curiosidade: ter o poder da informação.

Portanto, se informação é poder, o poder se disputa. Por isso essa “xenofobia digital” que movimenta alguns, definindo como pobre a informação prestada pela zona da web e desaguada nos inúmeros equipamentos eletrônicos, hoje existentes, do que sobre aquela calcada na informação impressa. Nada demais, o mesmo ocorre dentro da sociedade como um todo. Podemos mapear a distribuição do poder em termos do controle político, por exemplo, que também se exerce pelo uso da informação, as empresas dominantes no mercado controlam mais informação do que as competidoras e os ricos são ricos também porque são mais informados do que os pobres.

Eis o conceito maior e mais importante da informação: poder dispor do conhecimento antecipada, instantânea e simultaneamente e, acima de tudo, com precisão.

Em tempos remotos, a informação que vinha através de mensageiros a cavalo, de trem, pelo correio, impressa, agora está à disposição, em instantes, no escritório, em casa, nos celulares, smartphones, nos tablets, nos i-phones, etc., bastando para isso alguns “clicks”.

Num rápido esboço histórico, constata-se que o homem, mesmo com todo o progresso conquistado em termos tecnológicos, continua o mesmo, sequioso pela manipulação do que mais lhe interessa: o poder. E, evidentemente, pela sua manutenção.