Você é a página de meu destino

escrever-carta

Você é a página mais linda que o destino escreveu na minha vida. Você é o sonho bom que a vida trouxe em suas asas, pousando dentro de meu coração.

Nosso amor é a flor que floresce incessantemente dentro de meu peito e o odor perfuma todo o ambiente quando seus olhos caem nos meus.

Quando o vejo ouço as canções de amor que vibram nas cordas do violino de meu coração e tenho medo que as pessoas ouçam esse imenso vibrar.

Sinto a impermanência do tempo quando encontro você e desejo intensamente parar o tempo para que esse momento se perpetue.

Minha alma canta ao ver você chegar, e o mundo todo desaparece com seu olhar no meu.

Meu amor por você tem todas as letras, palavras, pronúncias e sotaques de todas as línguas do mundo.

Creio que tudo nesta vida se renova, recomeça, tudo renasce. Por isso essa força que nos move em direção um do outro a cada vez mais neste e em outros dias e vidas que virão.

Somos a paz e a felicidade acontecendo a todo instante, e perdidos viveremos este amor infinito, sobrevoando o mundo e as vidas que ele traz.

Passageiros do amor

 

passageiros-do-amor

Você, despreocupado da vida, teclava seu computador. Suas palavras como pássaros chegavam até mim, molhando o seio ressequido de carinho. Roteiro estranho de uma história vivida a sós. Você sequer sabia que assim eu lhe via. Continuava a ninar meus sonhos. Pareceu-me confortável seguir em frente. A estrada macia suavizava meu solo vazio.

O deserto agora ficava lá fora. O calor do dia não prejudicava o contato quase magnético de meu olhar no seu. Parecia formarmos um só organismo, incapaz de interferir ou incomodar o outro, sentindo juntos as mesmas intempéries do tempo. Mas no seu colo, arrisco dizer que nunca estive. Jamais senti os seus afagos. Mas eu os vislumbro em meus anseios, neste mundo paralelo.

Viajávamos e parecia sermos os únicos naquele embalo. Não havia música apenas meu coração cantava feliz. Sentia-me colada em você… Imaginei aquele amor que você reservou somente pra mim. E mesmo convencida no inacreditável, algo no vento sussurrou palavras de amor.

O meu devaneio foi rompido com raios de sol a bater em meus olhos. Só consegui decifrar quando voltei meus olhos para a tela mágica e lá estava você. Entre nós apenas aquela tela. A vida ficou seca e pedregosa. Avistei um lago. Aquela água mais parecia um pedacinho de firmamento posto à sorte na minha imensidão de pedra e pó.

Procurei às pressas na mochila uma máquina fotográfica a tempo de capturar já terminando aquele pedaço de paisagem… Não disparei. Pareceu-me artificial demais registrar aquele lugar. Certos paraísos não merecem a simplificação de uma foto.

A água se foi. Voltou o deserto e seu rosto refletido no vidro. O amado amando. De alguma forma aquilo me preenchia. Essa essência sua transcende a tela. Por quê? Minha indagação trouxe a resposta: somos passageiros do amor.

Especialistas alertam que dormir com lentes pode levar à cegueira

Especialistas alertam que dormir com lentes pode levar à cegueira

 dormir com lente de contato

Estudo revela que um quinto das infeções relacionadas com o uso de lentes de contato provoca danos nos olhos que podem culminar em cegueira.

Adormecer com as lentes nos olhos, nadar em piscinas ou praias sem tirar as lentes de contato, não lavar ou mudar o soro das caixas das lentes, são alguns exemplos de falta de higiene, preguiça e falta de atenção que podem pôr em cheque a visão das pessoas que usam lentes de contato.

O alerta é dado pelo órgão governamental norte-americano Centers for Disease Control que sublinha que quem dorme com as lentes de contato colocadas se habilita a sofrer danos permanentes na visão e até cegueira.

Mais de um quarto das 1075 infeções nos olhos podem ser provocadas por falta de higiene ou preguiça do utilizador, como reporta o Daily Mail.

Michael Beach, da organização Centers for Disease Control sublinha: “As lentes de contato são um método de correção da visão seguro e eficaz quando usadas e cuidadas como recomendado. No entanto, a má utilização e falta de cuidado das lentes de contato pode provocar infeções nos olhos e por vezes provocar danos sérios” e por muito tempo.

Para o último estudo desta organização os investigadores analisaram uma década de relatórios realizados por médicos, produtores de lentes de contato e pacientes. Concluíram que em 20% dos casos a utilização sofre cicatrizes, perda de visão ou danos tão grandes que é preciso um transplante de córnea.

 

O homem dos sonhos

Amo você pelo que eu sou através dos seus olhos. Você me ama como se ama as estrelas, o infinito. Amo saber que eu posso parecer uma estrela. Mesmo sabendo que não sou, mesmo sabendo que é o seu amor quem me vê assim, sinto essa transformação em meu ser. Não sou tão generosa, nem tão bela e luminosa, como reluz no seu olhar. Mas o que importa o que penso de mim. O importante é saber o que você pensa de mim, porque assim eu acredito. Acreditando nessa beleza, torno-me melhor, sou tão especial quanto seu olhar é capaz de me enxergar. Transformo-me na pessoa madura, serena e segura que você tem tanta certeza que sou.

Você está iludido, mas consegue me iludir também. Ou seu amor me transformou, ou eu me transformei por você. O dom de não ver defeitos me faz gentil, consigo refrear meus tropeços. Seu jeito doce de me amar consegue fazer meus atos mais belos, mais honestos, tornou-me uma mulher de verdade.

Talvez você não me ame de verdade, talvez ame o amor, o sentimento, o envolvimento e não o objeto do seu amor. Talvez passe mais rápido para você e logo partirá em busca de um novo objeto de desejo. Não importa, este amor me fez melhor. Construiu, fortaleceu, desafiou meu sentimento. Na verdade ao contrário. Tenho certeza de que é amor. Um dia um amor de verdade me disse que “amor não é olhar para o outro, mas olhar na mesma direção”.

A simplicidade que extasia a alma é essa imensidão na essência do sentimento. Navego em seus braços e nessa ideia estupenda de ser amada, idolatrada. Foi o primeiro a conceber assim.

Se o homem é a essência do criador. Você é a essência da minha transformação. Sua alma é maiúscula. Suas qualidades sobrepujam qualquer ínfimo defeito, por que não o vejo, nenhum.

Você é o homem versado na arte de amar, falam do amor com delicadeza e revelando seu caráter na beleza das palavras e atos. Não precisa de autoafirmação, não grita aos quatro ventos sua virilidade jamais o ouvi falar mal de um ex-amor. Não transfigura suas mulheres em letras e verso que as reduzem e desvalorizam.

Tem olhos que vão além do que vê. Encontra o belo nos milímetros, no breve, no momento do toque, do afago. Enxerga múltiplas cores nos tons pardacentos, alvacentos e rosáceos dos corpos. Enxerta cenas de rara poesia nas coisas banais, cotidianas. Discorre sobre elas com cativante sensibilidade. Não quer só o tangível, mas busca o mais elevado, onde o toque se completa e sustenta.

Na verdade eu me apaixonei por você perdidamente!

 

leitora

As palavras bailam no cérebro, permeando o intelecto e integrando o imaginário. Somente colocadas no papel, ou agora na internet, com as minhas escusas a Johann Gutemberg, elas se transformam em realidade palpável, permitindo ao leitor se deleitar com o pensamento do escritor.

Sartre sugere em What is Literature? seja ela irritante, provocativa do leitor, para que ele próprio imagine seu término. Acredito, antes, deva ser ela instigante, para que o leitor venha a perseguir seu final e intuí-lo de variadas formas, recriando-o a seu bel prazer até que o autor o leve pela mão ao fecho que entende plausível.

Um livro que li outro dia afiançava que somente um leitor contumaz será capaz de descortinar a ciência, os mais altos saberes, as mais sólidas filosofias e religiões. Mas, a meu entender não basta apenas leitura. Há que se pensar sobre o que se lê. A consciência crítica do ser humano deve ser exercitada durante uma leitura. Seja o texto de reconhecido autor ou daquele que vive no obscurantismo.

Não vejo a leitura como exercício de antropofagismo, como o quer nosso poeta mineiro Murilo Mendes em seu dizer textual: “Quando eu não era antropófago – quando eu não devorava livros – … porque os livros não são feitos com a carne e o sangue daqueles que escrevem?”, filosofando Nietzche, que dizia só amar o que era escrito com sangue.

Também nessa linha temos nosso filósofo e pensador Rubem Alves, dizendo: “De modo que minha leitura é assim: vou devorando os meus autores e na medida em que isso acontece, eles são incorporados a mim. Chega um momento em que quando cito um escritor já não o estou citando, mas a mim mesmo!”

Não vejo dessa forma, com máxima vênia a esses gênios da literatura e filosofia.

Lendo com consciência crítica, as palavras de mestres e doutores virarão frases de amigos, como se todas as insondáveis vivências guardadas nas mentes e realizadas no papel se transformassem em confidências e conversas de velhos companheiros, capazes de despertar silêncios e reflexões, ou estimular análises contrárias, que clarearão verdades insondáveis.

A leitura deve fazer pensar, e o pensar deve levar ao exercício crítico. Somente esse caminho desaguará na melhor formação de um intelecto e o capacitará a decidir. Ainda aqui cito Nietzche, que dizia ser condição fundamental para a criatividade a riqueza em contradições internas. Ora, se o filósofo entende necessário o caos interior, para que o ser humano possa fazer conexões intelectuais insólitas, como aceitar submissamente as verdades de outras consciências, sem antes questioná-las?