Crença em meus sonhos

contos

Acredito que vou ser uma escritora cada dia melhor. É o que amo fazer.  Isso mantém meu lado emocional tranquilo e sadio. Mas, não descuido do aprendizado. Leio muito, converso com outros escritores, aceito conselhos e assim vou burilando minha escrita.

A cada dúvida se sou boa o suficiente, o pensamento fixa-se em meus sonhos. Pretendo ter leitores que amem o que escrevo. Essa é a maior satisfação do escritor.  Às vezes, uma pequena voz fala comigo, dizendo que estou persistindo demais. Que meus sonhos não são razoáveis. Mas, logo depois ouço meu coração dizer que estudar, persistir e nunca deixar de tentar é o verdadeiro caminho daquele que ama o que faz.  Essa voz fala mais alto do que qualquer outra coisa.

Quando você se apaixona tudo gira em torno do objeto da paixão. Assim para mim é a escrita. Por vezes ela fica abafada pelas circunstâncias do cotidiano, dos resmungos daqueles que desejam mais atenção. Nesses momentos o pessimismo toma conta. Enfio-me num poço escuro e perco o elã da vida.

Somente o esforço hercúleo para não ouvir essas vozes e o pessimismo interno levanta meu ânimo e volto ao verdadeiro caminho da minha missão de vida.

Reflexiono sobre as necessidades de meu próximo, dou amor, mas volto à minha paixão. Ela me enriquece como ser humano e me faz ser melhor companheira daqueles que me acompanham na vida. A razão de outros por vezes me incomoda. “Tem que ser assim ou assado”. Não isto não dá certo. Qualquer escritor entenderá o que digo. É preciso perseguir seus sonhos. Somente persistindo nessa caminhada você conseguirá respirar o ar que veio receber nesta Terra.

Quando escrevo me transporto ao paraíso, sinto o pulsar do meu coração, meu corpo todo se aquece de amor e felicidade.

Eu tenho que escrever.

É difícil, às vezes. Quero dizer, há tantos escritores lá fora, e aqui dentro de sua vida tantos nãos, que o esforço se arrefece, a dor entristece. E a escrita não é uma opção fácil. É preciso pesquisa e dedicação. O importante é seguir em frente, desenvolvendo  as minhas habilidades e técnica. Sei que os obstáculos acirra a vontade e, mais, para mim  contribui com a criatividade, desta forma fico mais corajosa e obstinada.

Eu só sei que eu sou uma artista. Minha alma canta, dança e exulta com a arte de viver e meus escritos denunciam esse estado de ser.  O único desafio é encontrar meu tempo de solidão para desenhar meus escritos e contar minhas histórias.

Sonhos de escritor

sonhos-de-escritor

Calma e quietude. Solidão diante da máquina. A inspiração demora. Nada escrito. Olhos que se voltam de um lado para outro em busca da continuidade. O livro parece adormecer. Os pensamentos pairam no ar. Através dos pensamentos parece que a mente está vazia, mas o poder fantástico da imaginação conduz os dedos no teclado. Viaja a uma aventura quase delirante.

Imagens pululam. O escrever é inevitável. Alguma recordação ainda que breve chega ao cérebro. Teclar é preciso. Deixa a personagem acordar e ficar presente. O momento prestes a se perder retorna ao ponto da exaustão. Reflexão sobre a infância, tão familiares que se introduzem nos acontecimentos da trama. Situações marcantes da vida, de decepções e de frustrações recentes, de arrependimentos dentre uma imensidão de reflexões, emergem como numa enxurrada avassaladora e tomam conta do ser. Os planos e projetos futuros com suas incertezas e possibilidades num momento otimista também fazem parte do turbilhão de pensamentos. A obra se impõe.

Até que não mais se apercebe nitidamente. Apenas os dedos teclam num ritmo alucinante. Seu senso de alerta é engolfado pela personagem deslizando para a tela do computador. A história se recobra. Com ela os intrigantes sonhos são registrados, horizontes descobertos. A personalidade traz algumas de suas manifestações sombrias e enigmáticas.

Em meio a essa loucura um alcançar. O sonho gera inspiração, se torna obsessão, o despertar, para quem prefere ser escritor, é um alívio. Se não houvesse sequer recordação de momentos, então o despertar é estranho: tudo pode voltar ao começo. A dificuldade invade novamente e a cena se desconstrói. Ou não: apenas um breve momento até chegar ao ponto. Pode durar somente o instante de olhar a hora e voltar ao estado vesano.

Geralmente nesse estágio, as horas se tornam criança. O tempo se esvai sem pios, enquanto avança no drama. Se houver sucesso, então o aprazível descanso restaurador e salutar agracia o autor a espera de um novo momento extasiado de dor e amor.

contos

            Natália olhava o mar de Caiobá. Sentada na sacada parecia ver a figura dele andando pela areia. Chegava a sorrir ao imaginá-lo acenando alegremente.

            Ligou para Carlos Eduardo. Precisava ouvir sua voz. Ele costumava escutar música clássica no final da tarde. O som entrou pelo telefone. Era Debussy. Carlos Eduardo apreciava Debussy.

            O marido dizia que “ninguém sonhara que Achille Claude Debussy chegaria algum dia a ser um grande artista. Aquele era um luxo impossível para a modesta pobreza dos Debussy”. Voltou a prestar atenção ao som da música. Tinha certeza que era Nuvens de os Três Noturnos. Conforme Carlos Eduardo, os Noturnos haviam representado um degrau na produção debussyniana. “A orquestração é mais atrevida do que em suas peças anteriores e o sistema harmônico alcança inovações insuspeitas diante do pleno aproveitamento das escalas orientais e gregas, que o mestre conseguiu tirar. Ele conseguiu juntar um mundo de sonhos por meio de sensações novas”. Carlos Eduardo simplesmente delirava ao ouvir Debussy e em especial os Três Noturnos.

            Prestou atenção a ele. Quando você pretende voltar? Ele falava da casa de praia no condomínio Atami, onde passavam as férias de verão. Continuou a conversa, discorrendo sobre a rotina, o trivial. O desejo de ouvi-lo passou. O encanto daqueles momentos diante do mar de Caiobá quase evaporou. Respondeu com secura. Só o faria no dia seguinte. Depois se arrependeu do tom, mas pareceu-lhe ele não ter notado.

            Voltou a ouvir o som do mar, naquele seu murmúrio contínuo. O sol se punha no horizonte. Ainda com as notas musicais no ouvido apreciou a beleza presente na Natureza.

            Foi num fim de tarde assim que ela se entregara a Murilo e ao seu amor. As areias mornas, pelo sol do dia inteiro, receberam os corpos dos dois.

            Olhou em derredor. A sala onde tantas vezes estiveram juntos parecia intacta. O sofá onde saciaram a sede da paixão que os envolvia parecia o mesmo. Ainda estava lá, como para testemunhar aquele amor. Mas o amor… O amor já não existia. Ou existia dentro dela?

            Seu amor por Murilo fora feito de tantos encontros e desencontros, tantas alegrias e uma profunda tristeza.

            O seu trabalho no escritório a fazia dedicar-se inteiramente a advocacia. Seu tempo pessoal era escasso. Viera de uma infância pobre, órfã de mãe e abandono de pai. Fora o arrimo familiar, desde tenros treze anos, juntamente com os dois irmãos mais velhos, dos quatro mais novos. Depois de formada seguira seu caminho. Saíra quase como uma fugitiva de sua pequena cidade no interior do estado de São Paulo. Seguira para Curitiba, a convite de alguns advogados, para fazer parte do escritório. Aquilo a entusiasmara. Era sua oportunidade. Salto ficara para trás e sua família também. Os irmãos a condenaram. Não aprovavam seu afastamento da família.

            Já fazia muito tempo que trabalhava no escritório quando conheceu Carlos Eduardo. Fora ela a advogada a acompanhá-lo na audiência de separação. Depois ele não mais a procurara, apesar de havê-la encantado com doces palavras.

            Murilo, também advogado do escritório, descobrira, de um momento para outro, seu interesse por ela.

            Naquele tempo, além de suas pinturas, tinha Murilo. Sua solidão parecia desvanecer-se diante da alegria quase infantil dele.

            Fê-la conhecer pai Joaquim, como o chamava. Aprendeu a amar aquele velho negro com o mesmo amor que Murilo lhe dedicava. Visitavam constantemente pai Joaquim, na pequenina casa caiada de branco no sopé da Serra da Graciosa. Ouvia, feliz, lendas sobre os Orixás. Outras vezes se deliciava com seu hobby e pintava o velho negro enrodilhando a fumaça de seu cachimbo, sentado à frente da pequena casinhola.

Pai Joaquim lhe falava de Oxum, seu orixá protetor. E pedia que ela seguisse o rio de Oxum porque lá estava seu destino.

            Ficou encantada com o ramalhete de flores encontrado sobre a mesa de sua sala no escritório e um cartão com palavras que a emocionaram.

            A partir daquele dia ele passou a presenteá-la com um ramo de flores silvestres todos os dias e enchê-la de mimos.

            Numa noite, após irem ao Teatro Guaíra e se enlevarem com a Orquestra Sinfônica interpretando Brams, Rachmaninov e Ravel, convidou-a para verem a lua na Serra do Mar. Apesar do susto inicial, seguiu Murilo na busca do romantismo do luar.

            A lua cheia e redonda iluminava o asfalto. Ele a convidou para apreciarem o espetáculo. Saíram do carro e foram plenamente iluminados. Ele a tocou de leve inicialmente, depois ela sentiu sua urgência. Entraram no carro e se amaram até a madrugada. Depois dormiram nos braços um do outro, extenuados pelo amor.

            O telefone tocou novamente e tirou-a de seus pensamentos. Pensou em não atender, mas sabia que era ele. O marido devia estar sentindo a sua falta. Atendeu amuada, porém não deixou transparecer na voz.

            Ele queria saber se estava tudo bem, se havia pagado o condomínio e se a porteira vinha mantendo o apartamento limpo?

            Respondeu a todas as perguntas práticas do marido e despediu-se dele. No dia seguinte estariam juntos, era melhor dormirem.

            Voltou às suas lembranças e de tantas vezes que se deitaram, Murilo e ela, nas mornas areias de Caiobá. Já agora a lua cheia estava empinada no céu. Preferiu tentar dormir, mas a mente estava revolta e cheia de fatos já passados.

            Fora praticamente um ano de amor até que, também em Caiobá, recebera a notícia que mudaria sua vida.

Eles se separaram no final do ano. Ela acostumada a uma vida mais pacata preferiu ficar em Caiobá e esperá-lo. Seriam alguns dias de separação, para que pudesse se refazer da vida social agitada. Sua solidão desaparecera, mas sua vida se agitara. Murilo fora a Nova York passar o Natal e Ano Novo, enquanto aproveitava para solucionar um caso difícil do escritório. Um acidente de avião na volta de Nova York. Murilo estava morto.

A notícia lhe caíra como uma bomba. A subida da Serra do Mar, o caixão fechado, os pais dele que ela não conhecia, os amigos do escritório, tudo parecia o desenrolar de um filme de terror.

A solidão voltou a ser sua companheira. Ninguém a procurava. Tirara férias para beber sua dor até o último gole.

Seu único lenitivo foi procurar pai Joaquim. Ele era o único elo verdadeiro entre ela e Murilo. As semanas foram passando e quando voltou de férias seu coração já estava mais leve da dor.

Nessa época Carlos Eduardo voltou a procurá-la. Insistiu com sua companhia. Mostrou-lhe um mundo de altas rodas sociais. Veio-lhe à memória uma das primeiras noites em que saíra com Carlos Eduardo.

A noite estava clara, apesar da lua crescente. Era agradável respirar o ar noturno de Curitiba. Naquele junho já se começava a sentir a caída da temperatura, mas a noite mostrava o céu negro salpicado de estrelas.

            Carlos Eduardo a observava do carro. Colocara um vestido preto curto com uma pequena pelerine em veludo, sobre os ombros, que lhe caíam muito bem. Trocara o Paris pelo Bulgari, da Cristian Dior. Não queria que o odor do perfume lhe trouxesse à lembrança a figura de Murilo.

            Ele a levou até o Challet Suisse, em Santa Felicidade.

            O restaurante era numa casa em estilo suíço, construída bem no alto do terreno, toda rodeada por jardins, extremamente bem cuidados. A iluminação indireta e amarelada sobre as plantas conferia-lhe um ar bucólico.

            Sua alma de artista encantou-se com a cena.

            Carlos Eduardo, percebendo o encantamento de Natália. Brincou:

            — Pena você ter esquecido a tela e os pincéis, não?

            — Não se preocupe, eu tenho ótima memória. — Completou Natália, já imaginando como ficaria bela aquela cena impressa numa tela.

Já no interior, eles penetraram no amplo e agradável ambiente, com o ar impregnado de cheiros e odores de pratos deliciosos, flores e perfumes. Grupos de pessoas elegantemente trajadas sentavam-se aqui e acolá. A conversa discreta daquela gente despertara em Natália a sensação de um mundo distante daquele vivido com Murilo.

 Olhou o ambiente e se sentiu feliz em companhia de Carlos Eduardo, porém aquilo não a entusiasmaria a casar-se com ele, no entanto a perspectiva maior e mais profunda ao seu ser era voltada para o fato de constituir uma família. Teria duas filhas adotivas do primeiro casamento dele e a possibilidade de ter filhos seus. Encantou-se com a idéia.

Conheceu Armand, o mordomo e amigo pessoal de Carlos Eduardo. Ocorreu a empatia. Percebia nas maneiras sutis e fleumáticas de Armand o carinho por ela e uma aprovação tácita de seu casamento com Carlos Eduardo.

Armand tornou-se seu anjo da guarda. Nas recepções era ele a organizar para que ela recebesse as honras.

Sentiu-se acolhida e amada.

O casamento aconteceu, mas a felicidade completou-se realmente com a vinda de Letícia.

Estava tão envolvida com o mundo de Carlos Eduardo e com o ambiente romântico criado por Armand a cada jantar dos dois na mansão que não percebeu até onde ia seu amor ou sua admiração pelo marido.

Entregou-se à família, a pedido de Carlos Eduardo, esquecendo a profissão e suas tintas. A monotonia tomou conta dela. A memória de Murilo cada vez mais voltava a assombrá-la. Até que o encontrou no Shopping Novo Batel, numa exposição de quadros.

Seu bom senso evaporou-se. Voltou a encontrar o caminho do velho apartamento de solteira e lá, em longas tardes de primavera, esteve novamente nos braços de seu velho amor.

Parecia ter abandonado sua vida.

Armand a observava, mas nada comentava, apenas sentia tristeza por sua solidão e alienação.

Ela fugira até de pai Joaquim, o velho negro que se tornara seu único parente de coração.

Quando finalmente voltou a procurar pai Joaquim e contou-lhe sobre a volta de Murilo ele a olhou demoradamente e simplesmente pediu que ela voltasse a seguir o rio de Oxum, que seguisse seu destino, lá ela encontraria a felicidade.

Procurou Murilo e despediu-se dele. Foi uma despedida mútua, porque Murilo também decidira pela separação.

Depois daqueles dias ele evaporou no ar, não mais o encontrou ou soube dele. Seu psicanalista afiançava que aquilo fora uma criação de sua cabeça. Nada acontecera entre eles. Murilo estava morto. Apenas sua mente o fazia viver.

Nada importava agora. Voltara para sua realidade, seu marido, suas filhas. Ali era seu mundo.

Deixaria o rio de a vida seguir seu rumo.

O tempo passou. A vida a envelheceu. Passou pelo seqüestro de Carlos Eduardo, seu sofrimento e insegurança, o afastamento da empresa que ele tanto amava e o viu morrer, definhando lentamente. Bebeu o cálice de sua dor até o fim.

No casamento de Letícia sentiu falta do marido, mas entrando na biblioteca daquela casa que conhecia toda a sua história e guardava os momentos dos finais de noite, quando ambos conversavam sobre a vida e sobre a filhas, sentiu que se despedia de tudo. Uma sensação de dever cumprido.

Naquela tarde, entusiasmada com o lançamento de seus quadros não percebeu o perigo. A chuva fina caía incessante. Ela parou no sinaleiro e esqueceu-se de arrancar. As luzes piscavam: verde, amarelo, vermelho, verde, amarelo, vermelho…Quando se apercebeu da distração, lá estava ele lhe apontando a arma. Sua mente trabalhou incessantemente relembrando os momentos sofridos no seqüestro de Carlos Eduardo. A dor, o relato repetido milhares de vezes e jamais esquecido. Resolveu acelerar o carro e fugir dali.

Ouviu um estampido. Um zumbido no ouvido. As mãos amoleceram, soltando o volante.

De repente ela o viu. A mão estendida e o sorriso largo e maroto nas faces. Era Murilo, convidando-a para segui-lo. Estendeu-lhe a sua feliz, e sentiu o corpo levitar suavemente. Olhou lá embaixo a cena que ficava.

Finalmente estava livre do rio de Oxum.

capa-do-livro-A-Terra-e-azul

I Capítulo

 Yuri Gagarin

 

Na verdade ela nem sabia sobre o que falar. Precisava de uma terapia para a alma. Escrever sempre a acalmou. Conseguia silenciar o tumulto dos pensamentos escrevendo.

Quando era muito pequena formulava pequenos versos e os espalhava pela casa, onde o pai ou a mãe pudessem achá-los. Deram-lhe livros de Monteiro Lobato para ler. Gostou, porém, não era sobre aquelas histórias que gostaria de falar. Olhava os céus e se imaginava voando pelas estrelas, onde encontrava mundos diferentes. Seres diferentes, com linguagens diferentes, sem lhes captar o significado. Ficava feliz nesses espaços. Era como se fizesse parte do Universo.

Quando leu numa revista a viagem de Yuri Gagarin para o espaço, teve um acesso de choro misturado com alegria. Parou sobre as frases pronunciadas por aquele homem: “A Terra é azul” e “Olhei para todos os lados, mas não vi Deus”. Passou a admirar aquele homem durante toda a vida: A mãe não entendeu a reação. Por que uma garota de dez anos chora por uma descoberta, apesar de importante para a humanidade, mas distante da realidade em que viviam?

A garota passou a viver em transe e procurava tudo que pudesse ser escrito sobre ele e sobre o espaço. Recortou reportagens, fez colagens, escreveu suas emoções e o que pensava sobre a descoberta para o mundo. Seu corpo tremia, como se já tivesse vivido uma experiência semelhante. Pensou em seus devaneios sobre outros mundos e já se imaginava viajando pelo espaço. Era isso que faria quando crescesse.

***

Engraçado como imaginamos coisas impossíveis. – pensou. Há alguns anos atrás teve um relacionamento com um homem separado de sua mulher e ficou grávida dele. Quando lhe falou sobre o bebê ele entrou em pânico, dizendo que ia voltar para a família e que não desejava um filho fora do casamento. Olhou-o como se olha um monstro. Continuou a vida normalmente.

Quando ele soube da decisão começou a pressioná-la para tirar a criança. Aquilo se tornou um pesadelo. Não conseguia mais trabalhar com aquele homem ligando a todo tempo, pedindo que fosse ao médico e solicitasse o aborto.

Decidiu que iria fazer o que ele queria. Procurou um médico de confiança. Explicou detalhadamente o caso e pediu que encenasse todo o processo. O ex-namorado, agora “bem casado” novamente, foi junto no dia em que ocorreria o procedimento. O médico fez com que ele ficasse na sala de espera. Uma hora após dormir dentro de um pequeno quarto escuro, com janelas todas trancadas, saiu. Ainda sentia a tontura. Fora sedada. Mas sentiu seu bebê preservado dentro do útero.

Muitas vezes ele tentou retornar o relacionamento, mas ela não aceitou. Aquela atitude havia quebrado o encanto. Ele a observava desconfiado, quando vez ou outra se encontravam pelo caminho do trabalho. Mas, os caminhos da vida nem sempre respeitam nossos desejos. O aborto foi espontâneo. Ela chorou muito a sua perda.

***