Porque lutar pela melhoria da educação no Brasil.

nelson_mandela

A educação de um povo é o alicerce mais importante para o desenvolvimento de uma nação e, portanto, é imprescindível que haja um cuidado todo especial do governo com essa área. Somente através da produção de conhecimentos um país cresce, porque forma profissionais que irão possibilitar o aumento da renda do país e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

 O Brasil não consegue avançar nesse campo nas últimas décadas. Em tempos idos a educação pública do Brasil já fazia um aluno de primeiro ano sair lendo e escrevendo corretamente. Falo isso de cátedra, porque além de ter sido aluna de escola pública também ministrei aulas em escola pública. Os alunos precisavam escrever e ler corretamente. As provas não eram elaboradas e aplicadas pelas professoras da sala, mas por outra.

As escolas particulares, vendo o rendimento dos alunos das escolas públicas, entraram numa corrida e melhoraram seus quadros de magistério. Em contra partida a escola pública foi sendo deixada para trás pelos governos que vieram a partir dos anos 60/70. Pouco a pouco o padrão caiu. Vieram reformas, mas nada conseguiu dar ao professor da escola pública condições adequadas para desenvolver seus trabalhos. Isto gerou tantos desajustes, que hoje até alunos que não sabem escrever nem ler vão galgando as séries do ensino fundamental, pois precisam terminar o curso fundamental, mesmo sem adquirir base para tal. Reformas totalmente desajustadas com a realidade mundial. A escola (Ensino Fundamental e Médio) e a universidade tornaram-se locais de grande importância para a ascensão social do ser humano, como há de ser o correto, porém a maioria dos alunos das escolas públicas não acompanham esse compasso.

Pesquisas na área educacional apontam que um terço dos brasileiros frequentam diariamente a escola (professores e alunos). São mais de 2,5 milhões de professores e 57 milhões de estudantes matriculados em todos os níveis de ensino. Estes números apontam um crescimento no nível de escolaridade do povo brasileiro, fator considerado importante para a melhoria do nível de desenvolvimento de nosso país. Infelizmente essa assertiva está dissociada da fundamental melhoria na qualidade da educação do brasileiro, é o que facilmente percebemos no nosso dia a dia.

Nada é mais importante do que uma reforma educacional que dê ao professor salário digno e condições de desenvolver seus conhecimentos didáticos para melhorar na carreira e que não permita jamais que um aluno saia do primeiro ano sem saber ler e escrever, pois somente assim ele poderá avançar nos estudos e na compreensão dos textos e de todas as matérias que irá enfrentar no futuro.

Não existe queda no índice de analfabetismo no Brasil. Isso é uma balela. Outro dado importante é a queda no índice de repetência escolar, que tem diminuído nos últimos anos. Isso também é uma quimera. Não se permitindo repetência, possibilita que alunos despreparados cheguem a uma faculdade não sabendo escrever ou ler corretamente. Isso acaba não permitindo ao Brasil melhorar a formação de seus profissionais, tornando-os despreparados para enfrentar mercados de trabalho, cada vez mais voltados ao conhecimento.

Vivamos com emoção e amor ao Brasil

2017-um-novo-brasil

É chegado o tempo da esperança renovada. Apesar de ainda velejarmos por ondas bravias e primitivas do imaginário humano, há que se acreditar. As mudanças têm atirado nos alvos certos. Mesmo enquanto aqueles que não esperavam e agora esperneiam, condenam, caluniam, porque não conseguiram agir em nome do povo, pois, esfaimados pelo poder do dinheiro, querem continuar com seus hábitos carcomidos, pensando apenas em seu bem pessoal. Mas foram quebradas as plácidas paisagens do país e os discursos mascaradamente terapêuticos dos políticos estão sendo atirados ao lixo. Não há espaço para comodismos ou verborreia desconexa. Numa união súbita o povo saiu às ruas e começou a reivindicar, derrubando regras empoeiradas do bem viver – protótipo do brasileiro feliz e cuca fresca. Revolução, minha gente! Não há aceitar o não, apenas pelo não. Que os ditos líderes reflitam e declarem o porquê de contestarem o direito do povo. Que a Justiça se faça. Salve a República de Curitiba, que deu início à caçada aos espoliadores do povo brasileiro. Salve os juízes que aderiram a ética e a coragem.

Vivamos a hora com emoção. Acrescentemos a este tempo de levante novo espaço, com dimensão diversa da antiga ótica. Emoção! É isso que anima o poeta do Brasil tropical. Cerceamento de direitos, dilapidação do patrimônio público com a conivência de quem deve impedir, não mais. Queremos justiça e igualdade de tratamento. Nada de foro privilegiado, penduricalhos nos salários para disfarçar e enganar que ganham milhares de reais, enquanto o povo paga a conta. Tudo dentro do que é correto e certeiro. É preciso sentir emoção e amor patriótico, para trazer de volta a alegria e beleza. O país exige isso.

Não mais conchavos ineptos. Advertimos que alargaremos nossas estreitas condições de meros cidadãos, que precisam aceitar as soluções dissolutas, para abrir caminhos e delinear metas. Qual a arma? Nosso voto, mas também nossos abaixo-assinados, nossa visão arguta sobre os dissipadores do dinheiro público. Assim vamos decretar a morte dos inconsequentes à queima-roupa.  Como resultado de uma ação bem encetada seremos novamente respeitados e nossos representantes se moverão para que a justiça seja cumprida. O intento é de passar adiante, virilizar esta posição político-cidadã.

Desejo apenas, é ínfimo, para esta hora. Vamos à ação, dar força à desanestesia primitiva que avassalou nosso povo e acordar cada coração para bater em uníssono com nossa causa. Não podemos continuar na afoiteza de derrubar alvo errado, criar manchetes para jornais que não sabem separar o joio do trigo. Lógico que há gente marginal que se aproveita do momento. Que sejam presos em flagrante delito, quando depredarem patrimônio público. Essa é uma ação policial que deve ser cumprida. Mas, nós, os que lutam honradamente para carregar este país, pagando impostos altos e abusivos, escancaremos nossos corações e deixemos saber a todos que o céu do Brasil é azul e suas cores verde e amarela devem ser honradas.

Depois do tempo do banho-maria é preciso sair da concha, não exatamente atirando de maneira insensata. O alvo está à nossa frente. Descobrimos que podemos agir em passeata, mas também denunciar e assinar embaixo. Ai, daqueles que ainda não entenderam o que o povo brasileiro deseja. Honestidade no exercício da coisa pública, representação do desejo do povo, respeito ao mandato outorgado. Todos precisam sentir a responsabilidade de lutar e mudar as regras encarquilhadas e desonestas, que impedem o crescimento do Brasil. A Educação pede socorro, a Saúde está debilitada e a Ética, esta coitada então, foi sacrificada, enforcada e fatiada diante de nosso nariz. Não mais! Basta!

O Ano Novo está próximo e o Brasil quer mudanças. O brasileiro exige mudança! Aqueles que nos representam nos altos postos do governo precisam tirar definitivamente a venda dos olhos e mudar comportamentos corruptos e não ficar dando desculpas de que não pressionou, não pediu nada, não legislou em causa própria. Isto o povo não quer mais. O Brasil é dos brasileiros e não dos senhores da Casa Grande. Acabou a farra!

Brasileiros estão mais otimistas com economia, diz Datafolha

Brasileiros estão mais otimistas com economia, diz Datafolha

Brasileiros estão mais otimistas com economia

Os brasileiros estão mais otimistas em relação ao futuro da economia, segundo nova pesquisa Datafolha divulgada neste sábado. De acordo com o instituto, os entrevistados estão mais confiantes em relação à queda da inflação, à diminuição do risco de desemprego e ao aumento do poder de compra.

Por outro lado, as expectativas dos brasileiros sobre o futuro da economia do país e em relação à sua situação pessoal apresentaram uma elevação nos últimos meses e atingiram o maior patamar desde dezembro de 2014.O Índice Datafolha de Confiança registrou 98 pontos, uma alta de 11 pontos em relação a fevereiro.

Esta é a melhor avaliação desde o final de 2014, quando chegou a 121 pontos. Este foi o terceiro levantamento consecutivo em que o índice apresentou melhora.

O maior salto, de 34 pontos entre fevereiro e agora, foi em relação à expectativa de avanço da situação econômica do país, que passou de 78 para 112 pontos. Em relação à perspectiva pessoal dos entrevistados, o aumento foi de 17 pontos, passando de 128 para 145.

Pela metodologia do Datafolha, índices acima de 100 são considerados positivos e abaixo disso, negativos. A pesquisa foi realizada nos dias 14 e 15 de julho.

No caso da inflação, a alta foi de 18 pontos (para 40). Em relação ao desemprego, de 17 (para 50). Já em relação ao poder de compra dos entrevistados, a variação foi de 10 pontos, passando a 54.

Cunha perde privilégios, mas segue custando R$ 165 mil por mês ao bolso do brasileiro

Cunha perde privilégios, mas segue custando R$ 165 mil por mês ao bolso do brasileiro

cunha continua custando caro

Ao renunciar ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (7), Eduardo Cunha perdeu privilégios, como o uso da residência oficial, mas manteve os direitos referentes ao cargo de deputado. Ao todo, mesmo afastado, o deputado segue custando ao menos R$ 165 mil aos cofres públicos (ou seja do ganha pão de todos os brasileiros).

Além da residência oficial, Cunha perde também o direito ao transporte aéreo e terrestre e à segurança pessoal. Ele mantém, no entanto, o salário integral de R$ 33.763; o chamado cotão, subsídio de R$ 35.388,11, para gastos com alimentação, aluguel de veículo, aluguel de escritório e divulgação do mandato, entre outras despesas; verba de R$ 92 mil para a equipe do gabinete parlamentar, que pode contar com até 25 pessoas; assistência saúde e o direito a um apartamento funcional ou auxílio-moradia de R$ 4.253, totalizando um gasto mensal de ao menos R$ 165,4 mil. As informações constam no site da Câmara dos Deputados e foram confirmadas pela assessoria de imprensa da Casa.

O deputado também perde definitivamente as prerrogativas referentes ao artigo 17 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, que dispõe sobre as ações do presidente dentro da Câmara. Entre elas estão, por exemplo, os direitos de presidir as sessões, conceder a palavra aos deputados, organizar a agenda de votações e convocar sessões, funções que o deputado já não exercia desde o seu afastamento do cargo, decretado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em maio.

Com a renúncia à presidência, a Câmara tem até cinco sessões para eleger o sucessor de Cunha, que terá uma “gestão tampão” até 1º de fevereiro de 2017. Atualmente, a Câmara é presidida interinamente por Waldir Maranhão (PP-MA),criticado por frequentemente recuar em suas decisões. Maranhão convocou a eleição para o próximo dia 14.

A renúncia ocorre dias antes de a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) votar recurso do peemedebista contra pedido de cassação de seu mandato aprovado pelo Conselho de Ética.

Direitos perdidos ao renunciar à presidência:

Uso da residência oficial

Transporte aéreo e terrestre

Segurança pessoal

Direitos mantidos como deputado:

Salário integral de R$ 33.763

Subsídio integral de R$ 35.388,11 mil para gastar com alimentação, aluguel de veículo e escritório e divulgação do mandato, entre outras despesas

Equipe a serviço do gabinete parlamentar com até 25 funcionários no valor de até R$ 92 mil

Assistência saúde

Apartamento funcional ou auxílio-moradia de 4.253