Você é a página de meu destino

escrever-carta

Você é a página mais linda que o destino escreveu na minha vida. Você é o sonho bom que a vida trouxe em suas asas, pousando dentro de meu coração.

Nosso amor é a flor que floresce incessantemente dentro de meu peito e o odor perfuma todo o ambiente quando seus olhos caem nos meus.

Quando o vejo ouço as canções de amor que vibram nas cordas do violino de meu coração e tenho medo que as pessoas ouçam esse imenso vibrar.

Sinto a impermanência do tempo quando encontro você e desejo intensamente parar o tempo para que esse momento se perpetue.

Minha alma canta ao ver você chegar, e o mundo todo desaparece com seu olhar no meu.

Meu amor por você tem todas as letras, palavras, pronúncias e sotaques de todas as línguas do mundo.

Creio que tudo nesta vida se renova, recomeça, tudo renasce. Por isso essa força que nos move em direção um do outro a cada vez mais neste e em outros dias e vidas que virão.

Somos a paz e a felicidade acontecendo a todo instante, e perdidos viveremos este amor infinito, sobrevoando o mundo e as vidas que ele traz.

Aquele beijo

dois jovens enamorados se beijando

Éramos jovens. Ele tinha dezenove anos e eu dezessete. Foi meu primeiro amor.

Desde o momento que o vi pela primeira vez, senti um aperto no peito e soube que ele seria importante para mim. Aliás, já era importante.

Sempre gostei de dançar, mas ele não. Ficava me olhando de longe e não tinha coragem para chegar.

Na primeira vez em que atravessou o salão e me convidou para dançar, meu coração disparou, minha mão suava frio o corpo todo tremia. Não conseguia controlar. Mas o dele também tremia. Nos olhamos nos olhos e lágrimas assomaram teimosas em nossos olhos. Já nos conhecíamos de outro espaço sideral. Estrelas pipocavam, a música era só nossa “Dio come te amo”, o salão ficou vazio e pudemos dançar sem olhares curiosos. Não conseguíamos pronunciar uma única palavra. Somente nossos corpos diziam nossos sentimentos. A orquestra parou e a magia se desfez. Ele ainda pareceu indeciso, não queria tirar o braço de minha cintura e continuava a me olhar. A boca não articulou palavra, mas o olhar me disse tudo. Daquele dia em diante seríamos namorados.

Jamais fui beijada daquele jeito. Os anos passaram. Tive vários namorados. Casei. Tive filhos, mas os braços que rodearam minha cintura, o olhar que cintilou estrelas diante de mim e os lábios que colaram nos meus, jamais encontrei.

Dizem os poetas que quando beijamos alguém e viajamos aos céus, tudo o que virá depois será perfeito. Nada pode ser mais convincente de que uma relação dará certo depois desse beijo paraíso.

Decidir me faz feliz

mulher-feliz-sorrindo

Tomo decisões ouvindo meu coração, mas sempre paro para pensar. Isto é bom para mim? Eu preciso fazer isso? Aí minha mente, em seu lado racional, decide pelo sim ou pelo não.

Sou escritora e escrever um livro sempre é um momento de decisão. Primeiro meu coração escreve o livro. Depois meu lado racional lê, como se fosse um leitor. Corta sem dó nem piedade, reescreve, corrige. Jamais joguei um esboço fora. Às vezes eu o deixava no computador por anos. Quando me sentia mais madura, não tão emotiva, voltava a escrever.

Acho que a vida é uma eterna decisão entre um caminho ou outro. Se você não souber fazer a escolha certa, tudo poderá dar errado lá na frente. Por isso, ouço meu coração, mas jamais vou por impulso. Minha racionalidade faz colocar na balança os prós e os contras daquilo que vou ou não enfrentar. Muitas vezes sofro por deixar para trás algo que me apeguei demais. Mas, lá na frente percebo que se tivesse seguido por aquele caminho nada do que havia concretizado daria certo, como acontece no momento.

Claro que a racionalidade também faz você perder muitas emoções. A vida não é um caminho reto, sem curvas. Ao contrário ela é sinuosa e tem muitas bifurcações. Escolher entre essas bifurcações não pode sempre ser apenas racional. O emocional sofreria demais e qualquer pessoa seria uma infeliz se não se desse um prêmio de vez em quando. Mesmo sabendo que esse prêmio pode trazer sofrimento. No entanto, a emoção maravilhosa que você sente ao decidir pelo coração é indescritível. Você não fica infeliz por pagar o preço, às vezes alto, por sua decisão.

Na verdade sinto-me feliz com tudo que fiz em minha vida. Os sofrimentos enfrentados foram abraçados como lições de vida. Não, não. Não sou super mulher, apenas entendo que você deve abraçar o sofrimento e depois entendê-lo. Verá que foram suas escolhas pelo caminho que o levaram a isso. Por isso sempre digo – use o coração -, mas deixe sua mente racional decidir em casos muito complicados. Se usar apenas o coração e se machucar, aprenda a lição e não choramingue pelos cantos.

Ser uma boa escritor(a) demanda estudo e persistência

 

escritor-branco

Tenho estuado muito sobre o assunto e sei que ser um escritor é um sonho de muitos para poucos. Em grande parte, porque a maioria desiste no caminho.

Há cada vez mais livros de técnicas literárias. As oficinas literárias de escrita criativa se multiplicam. Sites de dicas de escritores e vídeos sobre o assunto crescem de um jeito incrível e até assustador.

Mas o que você realmente precisa para ser um escritor? Quais são os fatores que determinam se você está indo bem ou não? É possível aprender a ser escritor?

Se você realmente tem este sonho, depende muito mais de você do que do mundo ao seu redor. Isto acontece porque ainda não temos cursos universitários que prepare a pessoa para a literatura brasileira, em especial.

Encontrei 6 dicas rápidas que podem auxiliar a me tornar uma escritora muito melhor em pouco tempo. Claro que milagres não existem, mas a prática e a vontade pode levar à concretização do sonho.

 1 – Primeiro seja escritor, depois seja crítico

Muitas pessoas que querem começar a escrever ficam com certo receio de dar o primeiro passo.

Você deve ter passado por isso. Eu já passei muitas vezes. A página branca. O medo de não escrever algo bom o suficiente. O que as outras pessoas vão achar? Será que o que escrevo é bom mesmo? Então fiquei lendo por dias e nunca “colocava a mão na massa” de fato.

Sim, imagino que você também conhece este estado de coisas. Na verdade é necessário ler e estudar bastante, mas para se profissionalizar, não se pode ficar só na teoria, é preciso começar a praticar. Lembra do ditado?

A prática leva à perfeição.

A página em branco costuma ser quase um pesadelo para alguns iniciantes. Percebi que a dica mais importante é: primeiro escreva e depois faça uma autoavaliação.

Se tiver algo que não está lhe agradando, aí sim é hora de pesquisar e buscar informações para ajudar a melhorar o texto.

 2 – Inicie com textos curtos

Oito em cada dez escritores começaram pensando em fazer uma trilogia.

Mas não adianta querer começar com textos longos, como romances e trilogias de vários capítulos. “O pulo do gato” é iniciar com histórias curtas.  A partir delas vai se percebendo os erros e aprimorando a escrita para escrever textos maiores em breve.

Por mais que se tenha ideias super originais para escrever um longo romance, antes de colocá-las no papel é preciso adquirir habilidades e amadurecer a sua escrita. Os contos são excelentes exercícios para treinar diversos gêneros, formas de escrita, estruturas textuais, linguagens, narrativas e várias outras experiências.

Além disso, os contos nos ajudam a sintetizar informações e evitar um texto muito prolixo. É a partir dos pequenos contos que surgiram os maiores escritores de romances, pois essa é uma forma de você publicar a curto prazo e tornar o seu trabalho conhecido. Busque ler muitos contos de bons escritores.

3 – Busque descobrir o seu estilo com o passar do tempo

Cada escritor é conhecido por ter um estilo próprio e único. Porém, nenhum deles começou sua carreira já com o estilo definido. Eles precisaram escrever muito para corrigir os erros e para testar suas habilidades literárias, até finalmente encontrar o seu estilo.

E com um escritor iniciante não é diferente. É necessário, antes de tudo, desenvolver ideias originais e expressar seus pensamentos de forma clara e coerente.

Não se preocupe se mesmo depois de escrever vários contos você ainda não tiver encontrado seu estilo. Ele irá se desenvolver de forma natural à medida que você praticar.

 4 – Fique atento à linguagem para ser um escritor

É muito importante ter cuidado com a linguagem e com a sequência da narrativa. É preciso escolher as palavras adequadas para cada contexto.

O escritor precisa adequar sua linguagem ao estilo da sua narrativa. Se for um estilo mais informal, pode-se usar uma linguagem com tom mais coloquial, algumas gírias (se for permitido) e regionalismos. Agora se já estiver no estágio de romances históricos e mais densos, a linguagem deve acompanhar esse texto.

Por outro lado, se for um estilo mais formal, como um texto jornalístico, por exemplo, é preciso saber usar um vocabulário mais informativo e com cunho imparcial.

Mas existe uma regra válida para todas as formas de escrita: a linguagem utilizada precisa explorar todos os recursos da língua e gerar emoções no íntimo do leitor, sejam positivas ou negativas.

 5 – Saiba ouvir críticas

Para se tornar um escritor de sucesso é preciso saber ouvir as opiniões dos seus primeiros leitores. E nem sempre essas opiniões serão positivas. Mas isso faz parte do seu aprendizado.

O feedback dos leitores é de extrema importância para você aperfeiçoar sua escrita e suas técnicas. Não peça opinião apenas dos seus amigos e familiares, pois eles podem falar que suas histórias estão ótimas só para lhe agradar.

Busque feedbacks de pessoas que realmente possam ajudar a melhorar sua escrita e dar conselhor sobre os pontos fortes e fracos dos seus textos, como: professores, escritores experientes que você tenha contato ou pessoas que possuem o hábito da leitura, mas que não fazem parte do seu círculo de amizades.

Além de colocar em prática essas técnicas, também é importante que um bom escritor faça sua criatividade fluir e não imponha limites a sua imaginação. Mesmo nos pequenos contos, a sua história precisa ser criativa a ponto de prender a atenção do leitor e fazer com que ele continue querendo ler outras obras suas.

6 – Entenda sobre o mercado de literatura nacional

Essas técnicas, se aplicadas corretamente, com certeza ajudarão nos ajudarão a ser um escritor de sucesso. Porém, tenha em mente que esse processo não é fácil e não acontece do dia para noite.

Como todo profissional bem-sucedido, independente da área de atuação, é necessário ter dedicação, paciência e trabalhar muito.

Publicar um livro no Brasil é uma tarefa bem difícil, uma vez que o mercado da literatura brasileira é pequeno (infelizmente) e as editoras não costumam dar muitas oportunidades para os escritores iniciantes. As prestadoras de serviços (que não são escritoras verdadeiramente) querem cobrar para publicar, divulgar e distribuir seus livros. Nesse caso o melhor caminho é ser autor independente, porém é um caminho bem árduo.

Entretanto, se você quer se destacar no universo da literatura invista nesse sonho e dê o melhor de si. Não fique com receio de publicar suas primeiras obras por medo da falta de aceitação do público.

A arte da confeitaria

a arte da confeitaria

Quem nunca ao ver todos aqueles bolos em uma festa de casamento ou um aniversário pensou “nossa que lindo, como será que foi feito esse bolo”? A curiosidade e  a admiração muitas vezes fala mais alto do que a própria vontade de experimentar um  pedaço, não é mesmo?

Atualmente, o mercado voltado a essa área está cada vez mais em expansão, pois deixou de ser uma especialidade apenas de nossas avós que faziam bolo toda tarde para acompanhar com o chá. Agora existem cursos que auxiliam pessoas que querem desde aprender novas técnicas até aqueles que querem tocar o próprio negócio.

Existem no Brasil inúmeros profissionais que atuam nesta área de sucesso. Você pode assistir nos canais de televisão ou na internet, professores de cursos de bolos decorados, que  busca reproduzir os confeitos feitos a pedido de clientes dos mais diversos gostos. Em seu antigo trabalho apenas a dedicação e o carinho eram fundamentais. Agora, além de muita criatividade para quem quer aprender mais sobre essa área tão saborosa, ainda, os cursos são fundamentais para quem tem vontade de fazer parte deste universo tão saboroso e criativo.

A decoração de bolos para diversas ocasiões, desde festas infantis, até bolos de casamentos virou uma arte: a arte da confeitaria . O trabalho desses profissionais começou com os Romanos, responsáveis pela criação das primeiras receitas de massas, a partir do séculos XVII, os bolos decorados foram virando símbolo de riqueza sendo adquirido apenas pelos mais nobres.

Dizer que vivemos na crise e o Brasil não oferece empregos, não adianta. Não fique parado. Corra atrás de novas oportunidades. Cave seu espaço e aproveite para crescer e profissionalizar-se.

Por isso, se você quer aprender a fazer desde um bolo simples, como a massa de pão de Ló até a decoração de um bolo mais requintado usando pasta americana, estude e aperfeiçoe-se nos vários cursos hoje existentes, não só com presença obrigatória, mas fique ligado nas aulas ao vivo e de graça que você assiste nos canais fechados da televisão ou em vários sites de aulas na internet. E… boa sorte nessa nova arte e profissão.

Paixão adolescente

jovens-apaixonados

Apaixonei-me por George naquela primavera inesquecível, lavada de sol e cheia de sonhos. Tinha dezesseis anos, e ele vinte e dois.  Nunca havia me apaixonado antes, o que me tornara extremamente perceptiva. Objetos anteriormente desapercebidos tornavam-se belos; folhas e árvores, flores, tudo tinha brilho especial – era tudo pura magia da novidade, como se eu nunca tivesse conhecido nenhuma dessas coisas no dia a dia.

Tudo começou com nossas idas para o trabalho. O papa-filas parava e lá estava ele me aguardando com o lugar marcado. Depois vieram os piqueniques no Clube. Apenas ele e eu. As idas para o lago nadar, inúmeras partidas de vôlei de mesa, mas o melhor eram os momentos de tranquilidade, o conhecer casual um do outro. Deitar no gramado do Clube, sem se preocupar com olhos curiosos. Ficávamos horas olhando alguém lançar o anzol com um pedaço de minhoca enrolada, como isca tradicional. Ou andar pelo campo ao entardecer para apanhar os últimos resquícios de sol, após o trabalho diário.

No final tivemos nosso feriado, A Sra. Alzira, proprietária na pensão onde ele se hospedava organizou uma pequena festa. Tiramos os móveis da antiga salas de visitas, levamos vitrola e discos de Elvis Presley, Bob Dylan, Chico Buarque, Elis Regina, Erasmo Carlos, Fran Sinatra e tantos outros.  George não se deu por vencido ao saber que eu não sabia dançar. Passou a mão pela minha cintura e começou a ensinar-me os passos de cada tipo de música. Rodava comigo até o momento em que perdi o fôlego. Foi no final daquela noite que ele me beijou, mas não me senti feliz, pois ele teria que voltar para Curitiba, ao término de seu estágio como engenheiro na fábrica e seria na manhã seguinte, e eu nunca tive certeza se aquele beijo foi de afeto ou de despedida.

Logo depois de George partir eu vivi um mundo de fantasias, esperando receber cartas e telefonemas dele dizendo-me que não poderia viver sem mim. Mas tudo o que aconteceu foi ele começar a trabalhar em Curitiba, na firma do pai, e, depois disso, não mais voltara a Harmonia para a programada Páscoa. Se conseguia alguns dias livres, a Sra. Alzira contava que ele tinha ido esquiar, e eu imaginava garotas ricas e elegantes, e ficava doente de ciúme.

Certa vez roubei uma foto de George de um álbum que encontrei na biblioteca da Sra. Alzira. Soltar-se da página, portanto não fora propriamente um roubo. Coloquei-a no bolso e, depois, entre as páginas de meu diário. Sempre a mantive guardada, embora não tenha voltado mais a ver George. E desde que comecei a namorar para valer, aos dezoito anos, soube notícias dele.

E, agora, a Sra. Alzira mencionara seu nome, trazendo-me à memória o jovem George, com seus olhos azuis e a pele queimada de nossos passeios pelo clube.

— O que ele faz na América? — perguntei.

— Oh, ele trabalha em Nova York. O pai dele faleceu e ele agora se dedica exclusivamente a cuidar dos negócios e da fortuna da família.

—Ele deve estar casado e estar com filhos.

— Não, George nunca se casou e imagino que não o faça nunca. Esta casado com seus negócios.