Aquele beijo

dois jovens enamorados se beijando

Éramos jovens. Ele tinha dezenove anos e eu dezessete. Foi meu primeiro amor.

Desde o momento que o vi pela primeira vez, senti um aperto no peito e soube que ele seria importante para mim. Aliás, já era importante.

Sempre gostei de dançar, mas ele não. Ficava me olhando de longe e não tinha coragem para chegar.

Na primeira vez em que atravessou o salão e me convidou para dançar, meu coração disparou, minha mão suava frio o corpo todo tremia. Não conseguia controlar. Mas o dele também tremia. Nos olhamos nos olhos e lágrimas assomaram teimosas em nossos olhos. Já nos conhecíamos de outro espaço sideral. Estrelas pipocavam, a música era só nossa “Dio come te amo”, o salão ficou vazio e pudemos dançar sem olhares curiosos. Não conseguíamos pronunciar uma única palavra. Somente nossos corpos diziam nossos sentimentos. A orquestra parou e a magia se desfez. Ele ainda pareceu indeciso, não queria tirar o braço de minha cintura e continuava a me olhar. A boca não articulou palavra, mas o olhar me disse tudo. Daquele dia em diante seríamos namorados.

Jamais fui beijada daquele jeito. Os anos passaram. Tive vários namorados. Casei. Tive filhos, mas os braços que rodearam minha cintura, o olhar que cintilou estrelas diante de mim e os lábios que colaram nos meus, jamais encontrei.

Dizem os poetas que quando beijamos alguém e viajamos aos céus, tudo o que virá depois será perfeito. Nada pode ser mais convincente de que uma relação dará certo depois desse beijo paraíso.

Um comentário sobre “Aquele beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s