A sonda espacial Juno começou a girar à volta de Júpiter. A missão iniciou na terça-feira (05/07) e deverá durar 20 meses. O objetivo dos cientistas é aprofundar o conhecimento sobre a origem do maior planeta do sistema solar. A missão vai mapear os campos gravitacionais e magnéticos de Júpiter.

“Júpiter é um planeta enorme, mil vezes maior do que a terra e gira em torno do seu eixo a cada nove horas. Há um gigantesco campo magnético. É como se operássemos uma nave no interior de um acelerador de partículas.”

“Júpiter tem o campo magnético mais forte. É o planeta que gira mais depressa, com o maior campo gravitacional e a radiação mais intensa. A nossa sonda é a mais rápida e temos raios solares gigantes em rotação”, explicou Scott Bolton investigador da NASA.

Os cientistas acreditam que Júpiter foi o primeiro planeta a surgir no Sistema Solar, mas não sabem exatamente como ocorreu o processo.

“Júpiter é um planeta enorme, mil vezes maior do que a terra e gira em torno do seu eixo a cada nove horas. Há um gigantesco campo magnético. É como se operássemos uma nave no interior de um acelerador de partículas”, afirmou Michelle Thaller, diretora comunicação da agência espacial norte-americana.

Uma das questões fundamentais é conhecer a quantidade de água que existe em Júpiter.

“Temos instrumentos que nos vão permitir observar milhares de quilómetros da atmosfera e estudar o campo magnético e a gravidade de Júpiter. Esperamos poder analisar o interior do planeta e ver se ele tem um núcleo sólido ou se é similar a uma estrela sem núcleo sólido. Vamos fazer análises químicas para determinar a quantidade de água existente e outros elementos que nos podem indicar como é que Júpiter se formou e como era o nosso sistema solar há milhares de milhões de anos”, explicou Michelle Thaller.

Tal como o Sol, Júpiter é composto principalmente por hidrogénio e hélio.

“Júpiter é quase como um pequeno sol com um sistema solar próprio e tem luas enormes. Algumas luas têm oceanos de água em estado líquido debaixo das camadas de gelo”, acrescentou a responsável de comunicação da NASA.

Além do projeto da NASA, que deverá terminar em 2018, também a Agência Espacial Europeia planeja lançar, em 2022, uma missão a Júpiter para estudar as camadas de gelo no planeta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s